Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

Um Caso Complicado...

Desde ontem que não me sinto nada bem. Houve algo que mexeu comigo. E este post é escrito com duas intenções, a primeira é desabafar, fazer sair o que sinto cá dentro, e a segunda a de exorcizar este “fantasma” que me assombra desde ontem.

 

Numa das minhas turmas tenho uma aluna muito estranha. O seu comportamento e atitudes não se coadunam com as dos seus pares e até a sua aparência faz-nos olhar duas vezes.

Ontem fui substituir uma colega minha que teve de se ausentar. Ela explicou-me o que queria que eu fizesse e como, e eu pus em prática. Correu tudo muito bem na sua generalidade.

Esta miúda cumpriu tudo o que lhe foi pedido, e até bem e com rapidez. Até foi a primeira a ter direito à recompensa/brincadeira que eu levei. Gosto sempre de os agradar e de nos divertirmos quando as tarefas estão cumpridas. Fez uma vez a brincadeira, não quis fazer as outras (ao contrário dos colegas) e foi sentar-se no seu lugar. É uma criança que não brinca, não interage com os seus colegas e que está permanentemente a chorar.

 

Note-se que ela não é nova na escola. Se fosse, era compreensível e aceitável que chorasse nos primeiros dias. Para se ter uma ideia, sempre que tem oportunidade, esta miúda desata a chorar. Sem motivo ou causa. Acaba de fazer uma tarefa, desata a chorar; arruma o estojo, desata a chorar. É uma coisa muito perturbante que nos faz perder a paciência. Afinal, não há motivo para aquele choro constante.

Passou o dia todo a arranjar pretextos para tentar sair da sala de aula. De vez em quando, lembrava-se de algo e lá vinha perguntar se podia, para se tentar pisgar da sala. Por norma e regra da sala de aula, eles só saem para ir ao WC e caso estejam mesmo aflitos. As idas ao WC devem ser feitas antes de entrarem para a aula. Mas tendo em conta que estava muito calor e que os miúdos tinham bebido muita água, eu até os deixei ir ao WC.

 

A tal miúda, também me pediu para ir ao WC (milhentas vezes) já no fim da aula e depois das tarefas cumpridas e eu deixei. Mas fiquei à porta da sala a observá-la. E não é que a miúda foi até ao fim do corredor, deu meia volta e voltou para a sala? Mas antes disso, já me tinha vindo perguntar de podia ir dizer uma coisa ao director. Claro que não, não é? Por todos os motivos e mais algum, até porque não havia nada que o justificasse.

Às tantas, e porque eu tinha a porta da sala aberta, vê uma auxiliar e desata a chorar. Fartei-me, endureci a voz e mandei-a sentar-se no seu lugar. Já que com meiguice não parava, experimentei assim. A miúda desata aos berros a gritar “não vou, não vou” de uma forma insana. Perguntei-lhe: querias ir ao diretor, não era? Então vamos lá agora e com motivo! Peguei na miúda pelo pulso porque ela tem sempre os punhos cerrados, e descemos as escadas. A miúda estava em tal estado, que até escorregou nas e só não deu uma queda feia porque eu a estava a segurar pelo pulso.

Lá fomos ao diretor contar o que se tinha passado, ele falou com ela acerca do seu comportamento mas desconfio que aquilo entrou a 100 e saiu a 200.

 

 Quando teve autorização para sair dali, todos comentámos na direção, que aquela miúda tem realmente algum problema patológico, alguma psicose e que se teria de falar com os pais e a miúda ser avaliada por um especialista. Mal acabámos de sussurrar isto, entra-nos sala a dentro para fazer uma pergunta ao diretor: “a (auxiliar) xpto não foi ao médico nem nada?” e o director perguntava-lhe “porquê”. Ela voltava a fazer a mesma pergunta e o diretor a perguntar porquê. E esta situação repetiu-se algumas quatro ou cinco vezes. Percebendo que a miúda não ia sair dali, eu disse-lhe que a xpto tinha ido ao médico sim. E foi aí que ela desengasgou :”ah é que eu não gosto nada da (auxiliar) xyz…” Mais uma vez ficámos a olhar uns para os outros.

 

Já tive imensos alunos com problemas, desde deficiências mentais em vários graus, uns com acompanhamento devido e outros sem acompanhamento, a alunos a precisar de uma urgente ajuda psicológica. Mas que me tivesse perturbado tanto como esta criança, não. E até aposto que ela passou a não gostar de mim, desde o episódio de ontem.